• Lollapalooza: um motor para música alternativa

    O Lollapalooza foi um dos maiores festivais de música alternativa surgido no início dos anos 90. Ele funcionou como um motor para a cena musical que fervilhava naquele início de década e colocou algumas bandas alternativas de cara com a música pop global.

    Origem, queda e renascimento do maior festival de música alternativa do planeta

    Lollapalooza 2

    O Festival Lollapalooza começou a ser idealizado ainda em 1990, quando o líder da banda Jane’s Addiction, Perry Farrel, estava programando uma turnê itinerante para a despedida do grupo. Inicialmente, a ideia era que o festival servisse de palco para a banda de Farrel e ainda apresentasse novas bandas como uma forma de apoiar a cena alternativa americana. O termo Lolapalooza vem dos séculos XIX e XX, de uma expressão americana que significa “uma extraordinária ou incomum coisa, pessoa, ou evento; um exemplo excepcional ou circunstância”.
    Em 1991 o festival finalmente saiu do papel e percorreu os Estados Unidos. Nessa época o festival só contava com um palco e ainda não tinha expandido a ideia de festival com forte influência política e cultural.
    Principais atrações de 1991: Jane’s Addiction, Siouxsie and the Banshees, Living Colour, Nine Inch Nails, Violent Femmes, Fishbone, Ice T & Body Count, Butthole Surfers, Rollins Band, entre outros.
    O ano de 1992 foi marcado pelo crescimento do festival. O que era para ser uma turnê de despedida do Jane’s Addiction, ganhou contornos gigantescos. Mais um palco foi adicionado, criaram-se mesas redondas para discutir política e muitas atividades culturais foram acrescentadas ao festival. Vale lembrar que nesse período, discos, até então alternativos, como Nevermind, do Nirvana, haviam tomado as paradas de música de assalto e o rock alternativo via seu grande momento acontecer.
    Principais atrações de 1992: Red Hot Chili Peppers, Alice In Chains, Smashing Pumpkins, Soundgarden, Rage Against The Machine, Ice Cube, Pearl Jam, Porno For Pyros (a nova banda de Perry Farrel), Stone Temple Pilots, entre outras.
    As edições de 1993, 1994 e 1995 seguiram a tendência que a versão de 1993 tinha apresentado. Cada vez mais engajamento político, cada vez mais datas e um conteúdo cultural que movimentava a comunidade de música pop mundial. Artistas fizeram seus nomes apresentando shows históricos.
    Principais atrações que passaram pelos palcos dessas edições:
    Smashing Pumpkins, Beastie Boys, George Clinton, The Breeders, L7, Green Day, The Verve, The Black Crowes, Cypress Hill, Sonic Youth, Hole, Beck, Elastica, Patti Smith, entre outros.
    A edição de 1996 atingiu seu ápice com 2 palcos principais e um palco onde apresentava bandas ainda mais alternativas e bandas locais. Uma estrutura gigantesca que percorria todo o território americano e ainda passava por algumas cidades do Canadá. Mas em 1997, Perry Farrel passou a se desentender com outros sócios do festival, por não concordar que uma banda como o Metallica, que já tinha um histórico de declarações machistas, participasse do festival. Para Farrel, isso ia de encontro a todo o histórico que o festival havia criado. O festival encerrou as atividades, já que em 1998, muitas bandas se recusavam a tocar e a produção teve dificuldade de montar um lineup que atendesse os fãs.
    O festival só retornaria em 2003, já com um novo pensamento. O conceito do que era música alternativa ou música mainstream já não era tão visível. Bandas que haviam tocado nas primeiras edições ocupavam os postos de paradas musicais no mundo todo, mesmo considerando-se alternativas. O festival abriu-se para bandas maiores e em 2010 começou a sua expansão pelo mundo.

    Quando brasileiros começarem a reclamar que não conhecem as atrações que tocam nessa edição brasileira de 2019, conte para eles sobre a gene embrionária do festival que sempre primou por artistas menos conhecidos. O Lollapalooza é o tipo de festival que funciona muito bem para conhecer novos artistas e verificar tendências. O Lollapalooza Brasil 2020 ocorre de 03 a 05 de abril, no Autódromo de Interlagos – São Paulo e conta com nomes como Travis Scott, The Stokes, Lana Del Rey, Gwen Stefany, Pablo Vittar, Emicida, Djonga, Silva, além dos gigantes do Guns N’ Roses.
    A agência de turismo De Passaporte preparou uma campanha especial para atender os fãs de todo o Brasil. São passagens aéreas e hospedagens com tarifas reduzidas para o período do evento, para que ninguém fique de fora.
    Clique aqui e confira as vantagens preparadas para o evento: depassaporte.com.br/lollapaloozabr

    dmca-badge-w150-5x1-06

    Deixe seu comentário
  • David Guetta em São Paulo

    David_Gueta

    Um dos principais representantes da música eletrônica, o francês David Guetta se apresenta em São Paulo no dia 17 de janeiro no Anhembi.

    Encontre passagens aéreas para São Paulo com descontos especiais!

    O show faz parte de uma turnê que inclui ainda as cidades de Florianópolis, Atlântida, Guarapari, Fortaleza, Belo Horizonte, Uberlândia, Brasília, Ribeirão Preto e Rio de Janeiro.

    Os ingressos estão sendo vendidos no site www.ticket360.com.br

    Deixe seu comentário
  • Kesha fará show em São Paulo

    Kesha

    A cantora americana Kesha faz show São Paulo no dia 25 de Janeiro. A apresentação acontece no Citybank Hall às 20 horas.

    Compre passagens com até 20% de desconto para São Paulo.

    Os ingressos estão sendo vendidos no site da Tickets for Fun, na bilheteria do Citybank Hall e em outros pontos de vendas espalhados pelo Brasil. O valor dos ingressos varia entre R$ 90,00 e R$ 400,00.

    É permitida a entrada de crianças a partir de 8 anos, porém quem tiver entre 8 e 13 anos deverá estar acompanhado pelos pais ou responsáveis.

    Kesha também faz show no Festival de Verão de Salvador.

    Deixe seu comentário